João Alves-Carita

2008 / 24 Dezembro

Postais…


Não sei se se lembram do meu post sobre cartas e o significado que lhes dou por serem escritas à mão e minimamente pessoais e personalizadas.
E foi preciso chegar ao Natal para me sentir feliz com os Postais… Este ano sim! Além das “banais” mensagens escritas (até mesmo para aqueles que pagam as mensagens… um aparte: não percebo o porquê de mandarem as mensagens de Feliz Natal dia 22 porque mais um dia já se pagava! Não sei o que pensam, mas eu se mandasse SMS de Natal não me importava de pagar 11centimos que sejam para mandar uma SMS a alguém…), os e-mails massivos (desta vez não pedem para reencaminharmos senão temos anos e anos de azar), etc…

Recebi Postais, e posso estar muito enganado, mas penso que as pessoas que mos mandaram quando os escreveram pensaram em mim… Quanto mais não seja porque tem o meu nome no início ou algum episódio que vivi com essa pessoa… Já é especial, já não é só mais um… é UM… é AQUELE!

Não escrevi postais confesso-vos… ou melhor, escrevi um! Não que não goste, mas porque este ano fui diferente… foi propositado não ter escrito nem um postal! Preferi dar algo mais valioso… dar um pouco de mim, este ano estive mais em contacto com as pessoas realmente importantes. Achei que dando um pouco de mim conseguia começar a inverter a tendência consumista (sim… não há dinheiro para nada, estamos em crise, mas para fazerem filas ENORMES à porta dos hipermercados e gastar balúrdios em prendas ou lembranças neste caso já temos dinheiro e a crise? Esquece-se nestes dias! Depois em Janeiro logo nos lembramos que a crise está aí). Prendas também não dei muitas (ou nenhumas), sim “Debaixo do Chaparro” também há crise… Ainda não é nenhum paraíso fiscal 🙂 mas como com os postais, decidi dar de mim, estive mais presente na vida das pessoas, estive mais disponível, andei mais para e pelas pessoas…

Andei preocupado com a verdadeira razão pela qual festejamos este dia… pelo menino que nasceu em Belém numa manjedoura e que veio revolucionar o mundo (não vou entrar em discussões religiosas, deixo para outra altura). É o nascimento dele que festejamos, é por ele que existe Natal…

Tirando estas questões religiosas e de crenças, como esta forma de comunicação é engraçada e eu não sei para quem escrevo… E posso não ter dado um pouco de mim a quem me lê, deixo o meu Postal de Natal e desejo-vos a todos meus “assíduos” leitores (e para os menos assíduos também) os meus votos de boas festas e de um Santo e Feliz Natal… Deixem Cristo nascer no vosso coração 😉

Como podem ver, até a Árvore de Natal é boa para descansar… Beijos e abraços deste vosso Alentejano e já sabem, continuem a descansar “Debaixo do Chaparro” e aproveitem bem este vosso Natal…

  • Deve ser por estarmos mais velhos que já procuramos outra coisa no Natal, já não nos vem só aquela coisa de termos de comprar prendas e tudo o mais.
    Ou então é por já estarmos tão enjoados de ver as pessoas a correr de loja em loja a comprar coisas fúteis e sem sentido.
    Sou culpada, dei prendas este Natal! Mas foi àquelas pessoas que convivem diariamente comigo (Mãe e irmão). Não sei porquê, mas achei que devia dar-lhes.
    Às outras pessoas não me preocupei em fazê-lo. Preocupei-me mais, tal como tu, em dar um bocado de mim, em ser eu mesma e também em escrever-lhes postais de Natal e expressar-lhes a minha gratidão e a minha alegria por fazerem parte da minha vida.
    Com os anos e com circunstancias da vida o significado do Natal foi mudando para mim. Também lá está, porque secalhar já estou mais velha e já não sou a criancinha que espera ansiosa pelo pai natal. Agora fico “apenas” feliz por ver essa expectativa e alegria no meu priminho e por ter conseguido estar com parte da família reunida no dia de Natal.
    Desculpa lá o testamento!:P
    Beijinho

    Responder

LEAVE YOUR COMMENT