João Alves-Carita

2008 / 12 Outubro

Perder para ganhar


Qual é o estado da juventude actual?

É um jovem comodista e descomprometido, devido ao facilitismo e imediatismo. Quer tudo para ontem e nada do que dê muito trabalho interessa… «O que fazes? Nada, compro tudo feito» é a máxima dos jovens de hoje…
(o jovem tem assim muito a perder)

Um jovem rodeado pelas tecnologias, influenciado por medos, vícios e falsos ídolos. Um jovem cheio de vazio. Prefere o contacto virtual e mediatizado ao pessoal e íntimo… Algo muito mais “perigoso” e incerto… atrás deste computador podia ser alguém (ou algo que não sou) em vez de mostrar o meu verdadeiro ‘eu’… era muito mais fácil… sem ter de mostrar os meus defeitos, os meus problemas… tudo camuflado…
(mais fácil, mas há coisas mais importantes que se perdem)

Jovens desmotivados, instalados e descomprometidos, que se fecham em si próprios e se dispersam da sociedade em que vivem… Os problemas do mundo não interessam… A economia mundial está em crise? Desde que eu tenha o telemóvel carregado não importa (sou ‘Moche’ ou ‘Tag’ por isso não pago… O lutar em grupo para alcançar um bem maior e comum não mais faz parte do vocabulário de Xs e Ks do jovem… A vida uma corrida e ganha aquele que chegar primeiro… Não há espírito de grupo nem nada que se pareça… Se por acaso algo me atingir já está tudo mal… mas até lá… os outros que se preocupem…
(ao fechar-se sobre si mesmo o jovem não ganha, perde…)

Eu sinto que perdi muito este fim-de-semana… perdi horas de sono, perdi horas de estudo, perdi horas de descanso, perdi horas de namoro, perdi…

Mas ganhei! MUITO! Ainda mais do que aquilo que perdi… Ganhei ânimo, ganhei coragem, ganhei força, ganhei nada material mas tudo a nível pessoal e espíritual (aquilo que de facto importa na formação enquanto pessoas), ganhei respeito, ganhei amizades, ganhei…

É isto que é «perder para ganhar»… Perder algo que podemos considerar muito, muito importante, mas ganhar em tudo o resto… Sim não fiz aquilo que planeava… não estudei nem fiz os trabalhos deste último ano do curso… mas não me arrependo… sinto que ganhei enquanto pessoa, enquanto encontrista e enquanto jovem…

Por tudo isto: Shalom!

  • Bem vamos lá a ver se sai alguma coisa de jeito deste lado!
    Já te disse que foi um grande fim-de-semana. Foi tempo de aprendizagem, de conhecimento, de olhar para dentro, para o mundo, de ver novos horizontes.
    Realmente, tal como tu, também perdi muita coisa: o meu sagrado descanso, o estar com a minha mãe (logo quando fazia anos que o meu avô morreu), o estar sozinha para pensar o que escolher…Mas o que ganhei nestes dias foi tanto mais que compensou tudo e mais alguma coisa que possa ter perdido.
    (desculpa roubar-te as palavras!)ganhei uma nova força, um novo alento, uma vontade imensa de me pôr ao serviço, uma grande alegria e uma satisfação imensa por tudo o que vivi e por todas as pessoas que conheci.
    Na vida nunca perdemos. Deus quando nos tira alguma coisa é porque quer que lutemos e alcançemos outra ainda maior. E há que abdicar de muitas coisas para fazer esse percurso.
    É mais ou menos isto que levo deste fim-de-semana.
    Obrigada por não teres feito os trabalhos de casa, por não teres dormido o que querias, por teres abdicado de estar confortável em casa para nos ajudares nesta nossa descoberta!
    Beijinho
    P.S. Como é que eu posso ser tão lamechas??!!Sorry la!:p

    Responder
  • e aqui está a resposta à qual todos nós deveriamos perder para ganhar… nem sempre qdo algo nao corre como nós prevemos o tempo (por exemplo) foi perdido, se procurarmos ver o que aconteceu e o que aprendemos vamos encontrar algo que ganhamos apesar dessa perda…. :p

    (baralhei-me um cadinho???)
    enfim a mas a ideia está toda no teu texto :p

    Responder
  • Fátima Eusébio / 9 Novembro, 2008 AT 5:46 PM

    Perder para ganhar =’)
    Estou a aprender a fazê-lo!
    O melhor texto! Diz-me tanto…
    Parece-me que conseguimos ser uns verdadeiros “otários”, mas também somos capazes de grandes coisas!
    Precisa-se de gente radical!

    Beijinhos,
    Fátima Eusébio.

    Responder

LEAVE YOUR COMMENT