João Alves-Carita

2012 / 9 Setembro

NBC – Bem vindo ao passado


Nunca fui muito aberto para falar de mim
Nem nunca estive tão perto de saber de onde vim
Queres um motivo concreto para eu ser tão discreto
Eu digo, são vários como uma lâmpada de aladin
Uma mãe, um pai e quatro filhos pretos no chão
Éramos todos crianças não tínhamos a noção
Do que era não ter pão, fotografia hoje só serve pra recordação
Por isso é que eu fiz disso a minha capa da minha primeira gravação
Quero ser a excepção, com muita educação
É a minha ambição, pensamento só há um
E aprendi a lição e fiz disso um refrão
Vidas são imperfeitas quando te deitas com o teu rancor
Vidas são imperfeitas quando te deitas com o teu rancor
Foi aquilo que aprendi desde puto com a minha cota
Sentimento que não esgota pensava que amar era fácil
Quando não há batota

Zangado
Bem-vindo ao passado
Tenho noção do mal que fiz e do meu pecado
Quero dizer a quem não disse que estou arrependido
Tudo passou e hoje sei que não estou queimado
Amor eterno por quem tenho ficou fundido
Bem-vindo

Ainda hoje estou pra saber como é que isso foi possível
Criar tanta gente junta num ambiente incrível
Nunca faltou quase nada, só o meu pai é que viveu
Quase todo o matrimónio como bem lhe apeteceu
Ausência cria lacunas ele procura fortunas
Para que os filhos possam cantar nas dunas
Mas criam-se barreiras mais altas que dunas
Como punas (?), primeiras aulas como turmas
Em que és o único rapaz, o resto são alunas
Calça-me esses pumas, aperta esse fumas
Bem-vindo ao meu passado que eu relato nestas colunas
Eu nunca tive ciúmes, nunca amei por inteiro
Eu pensava que eras tu mas trocas-te me pelo primeiro
Que dizia ser o meu parceiro mas hoje não me acompanham
Porque há ouvidos que emprenham, há inimigos que engenham
E estão unidos pra que eu tenha…
Um final infeliz

Refrão

Quando o futuro chegar e trouxer a minha semente
Quero leva-lo lá atrás na minha máquina do tempo
Documenta-lo e mostra-lo, mudá-lo
Caminho de pedra e de cal, de sal do mar
Que atravessamos para conquistar o nosso espaço
Os que deram a sua vida pela obra e graço
Pra eles um forte abraço, mas nada disto passe em vão
Tu queres tomar a decisão, então vai se és homem
Quando chegares a homem, num erro cá se transformam
Com as tuas más performances, olha pa trás nos nomes
Que nos teus livros consomes, pega num par de headphones
No mp3 novinho e ouve o discurso directo do Martin Luther King
E vais ver que a tua vida muda como mudou a minha
A tua vida muda como mudou a minha
A tua vida muda como mudou a minha

Refrão

No comments so far.

LEAVE YOUR COMMENT