João Alves-Carita

2008 / 24 Junho

Conselho


Antes demais deixar contextualizar estes dois últimos posts… Foram escritos em papel na noite de sexta para sábado… o sono estava lá… mas o coração batia a mais de mil à hora e as ideias surgiam… era altura para escrever…

Porque pedimos nós conselhos quando até teríamos melhores?!
Porque os seguimos quando talvez não sejam o ideal?!

São perguntas para as quais não tenho resposta… mas eu gosto de dar conselhos, usar alguma da minha (curta) experiência e dar aquela palavra amiga, aquela palavra de conforto… mas só aos outros!

Quanto a mim?! Também preciso de conselhos, conselhos que eu depois decido usar ou não… a maioria das vezes não os sigo (a 100%), mas tomo uma atitude que é em muito influenciada por esses conselhos que também me são dados…

Porquê? Porque «a galinha da vizinha é sempre melhor do que a minha»… assim que ouvimos uma proposta/ideia (que iremos sempre achar que é melhor que a nossa) temos tendência para ‘apagar’ a nossa ideia e criar uma nova com base naquela outra… É da natureza do ser-humano ter uma baixa auto-estima e deixar-se influenciar/levar pelos outros que consideramos terem sempre a palavra certa…

Mas daquela vez não foi assim… Ignorei todos os conselhos, avisos, etc… disseram-me que fugir não era solução (e não era) e eu decidi ir pelas minhas próprias ideias e tomei uma decisão…

Uma decisao egoista e teimosa… infantil até… mas uma decisão MINHA! (talvez das poucas que sempre tomei e que estavam isentas de qualquer influência) e como adulto que sou arquei com as consequências dessa decisão… Também fui adulto o suficiente para admitir que tinha errado e tentado resolver a situação…

O que ganhei com esta minha teimosia? Ainda mais trabalho e dores de cabeça… é caso para dizer que «foi pior a emenda que o soneto»… o que à primeira vista me leva a pensar que não serve de nada seguirmos as nossas convicções… causam mais estragos do que se não tivermos personalidade própria…

Mas não me chamem de masoquista… errei ao tomar aquela atitude e lamento-a todos os dias em que acordo e me olho ao espelho… mas foi uma decisão MINHA e só minha… talvez se a não tivesse tomado tudo teria sido diferente (para melhor ou para pior… mas diferente)… Mas a vida não é feita de talvez ou de ‘SEs’…

Acho que preciso de um conselho agora…
  • Todos nós erramos, e ninguém pode dizer o contrário. É normal tomarmos atitudes sem pensar nas consequências.Mas uma coisa podes ter a certeza, vale mais errar e admitir o erro, do que errar e nunca admitir, para mim não ha nada pior do que uma pessoa quando erra não o admitir. Mas a vida é mesmo assim, somos todos diferentes, temos experiências de vida diferentes e isso muda muita coisa.Quando se tem uma relação de amizade ou de amor as pessoas vivem felizes porque tudo corre bem, porque ouvem coisas que lhes agradam, faz-se sentir uma relação realmente forte, o problema é quando acontece algo que não corre bem,as pessoas não sabem enfrentar os problemas,nem sequer têm a capacidade de ouvir o outro, apenas viram as costas como quem fecha uma porta, e eu pergunto-me porque? se muitas vezes achamos essas relações fortes e verdadeiras? será que eram mesmo? Há um problema muito grave as pessoas não sabem perdoar o outro, mesmo quando se demonstram arrependidos, preferem perder uma relação do que perdoar essa pessoa querida, preferem guardar rancores e ódios dentro delas do que a reconciliação.

    por isso, te digo Nunca tenhas medo de ser tu próprio, admite sempre quando erras, mas nunca mudes porque erras-te, porque ao longo da vida vais errar muito mais,e é a corrigir esses erros que vais crescer

    beijinho

    Responder
  • Acho que nao há ninguém que não precise de um conselho. Nem que não seja para sentir que tem alguém com quem contar, para ouvir a tal palavra amiga e de conforto que tu tão bem falas. E não acho que seja por termos todos uma baixa auto-estima (embora a maioria seja assim). Simplesmente damos mais importância ao que os outros dizem.
    Quanto a essa decisão que dizes que tomaste, a vida é feita de obstáculos.Sem eles não tinha piada. Cabe a nós superar esses mesmos obstáculos, levantarmo-nos e seguir em frente.Como tu próprio me disseste um dia, se a vida fossem só coisas boas depois quando acontecesse uma má seria tudo muito mais difícil de suportar.Assim, sempre que temos algo bom sabemos valorizar esse algo.
    Não vivas a tua vida rodeado de SEs ou de talvez. Vive rodeado de SIMs e de certezas.
    Como último conselho…sê e faz feliz!!
    Beijo grande bekinhas!!

    Responder
  • “Não vivas a tua vida rodeado de SEs ou de talvez. Vive rodeado de SIMs e de certezas.”
    bom texto.. gostei muito desta frase da ‘cascona’ 😀

    na maioria das vezes.. pior do que errar, é não errar!
    tal como “quem não arrisca não petisca” ou tantos outros lemas..
    é transformar as dúvidas em certezas

    []

    Responder
  • Ves o que dá estares ausente durante semanas… precisas dos meus conselhos maravilhosos! Aqueles que eu digo o que acho, digo o que é correcto fazer e digo o que tu queres fazer, o que por sua vez na maioria das vezes fazes sempre a última hipotese.

    Anjinho da Guarda, minha companhia!
    Preciso dos teus conselhos tb…

    Responder
  • so “responder” ao noise: obrigada!tanto a frase como o coment todo vieram assim de cá de dentro!lol.Há que viver a nossa vida com certezas, não a pensar no que poderia ter acontecido. Ah e podes escrever cascona sem ” porque já é quase o meu nome!(e por acaso graças a este alentejano aqui!).bjnhs

    Responder

LEAVE YOUR COMMENT