João Alves-Carita

2008 / 20 Maio

A pureza e o reflexo de um olhar


Qual é a função de um espelho? Mostrar as coisas tal como elas são?! Talvez… mas para isso as coisas teriam de se mostrar ao espelho tal como são… não colocando máscaras, sem serem artificiais…O porquê deste tema? Tudo começou com uma fotografia… sim uma fotografia, esta fotografia! Tirada a uns óculos de sol e que reflectiram o que se passava no momento mas de outra forma, “um olhar diferente” como alguém a comentou…

Instantes depois deparei me com mais um par de óculos escuros… Era um casal de cegos! Se a vida lhes tinha pregado essa rasteira e “tirado” um dos sentidos eles completavam-se e juntos apuravam os outros para que não lhes fizesse falta o olhar…

Meti conversa com eles…

Ninguém duvida que o amor que surgira alguns anos antes naqueles dois seres era algo tão puro como o reflexo de um espelho… Livre de todos os (pre) conceitos gerados pela nossa sociedade… ambos achavam o outro lindo… mas aqui o lindo não é meramente a aparência, não é o físico… A beleza para eles media-se no dar, media-se na personalidade… Em todas essas coisas que foram esquecidas pelo tempo e cada vez mais discriminadas hoje em dia…

Por muito que digamos que a aparência exterior e o físico da pessoa não importa tem sempre uma percentagem mais ou menos elevada… Temos aquele estigma da pessoa ideal…

Mas para aquele casal a aparência não contava mesmo nada (por circunstancias da vida), eles eram belos da sua própria forma… Felizes porque o outro era feliz…

Tal como este casal de cegos eu próprio gostava que as aparências não importassem, que o interior fosse muito mais lindo que o exterior (construído e moldado para embelezar)…

Prefiro ser belo por dentro
a construir algo bonito por fora e deixar apodrecer o interior…

 

P.S. Usei a palavra cegos e não invisuais porque eles próprios se referiram a eles como cegos… não gostavam da palavra invisual
  • Triste será quando o mundo der, realmente, importância apenas àquilo que vê. Porém, e não por os olhos serem os espelho da alma mas por serem a janela para o mundo, é preciso saber implementar a cultura do olhar… aquela que é mais que avidez de beleza e perfeição, que é tirar a essência pela visão e saber extrair o belo.

    Os meus parabéns pela escolha. Saber ver é, de facto, um dom rarissímo, uma vez que esta “humanidade” escolheu apenas o breve olhar de passagem, de quem nada mais pretende que não sentir a brisa no rosto.

    Responder
  • É muito mais simples e fácil ver aquilo que se quer, do que ver realmente o que está na nossa frente… O Mundo está cheio de aparências, mas se todos fossem capazes de “ver” o que está por tras daquilo que veem, tudo seria belo. Mais um dos teus posts de se tirar o chapeu…Continua assim bjs

    Responder
  • só te digo, foi dos posts que mais gostei de ler neste teu simples blog.Porque fala de coisas reais que nos aparecem diariamente e pelas quais facilmente passamos sem ligar nenhuma.
    Estou como tu, gostava que as aparências não importassem mesmo.Que tudo fosse visto não só com os olhos da cara mas também com os olhos do coração. Só aí tudo seria verdadeiramente belo e real.Mas como a nossa vida é feita de ilusões, esta será mais uma delas.Mas enquanto há vida há esperança!
    Gostei muito da última frase.Diz tudo 🙂

    Responder
  • posso fazer um comentario parvo?? a foto ta mt comica…granda smile pá! pronto…agora a parte importt. tu convidas as pessoas a virem aki comentar e dps elas lêem isto, gostam mt mas ficam c a lagrima ao canto do olho…está mal! é tao bom k ate doi 😛

    Responder

LEAVE YOUR COMMENT